Segunda-feira, 14.01.13

Moedas timorenses com o rosto de Dom Boaventura

Quinta-feira, 29.11.12

Prezidente Repúblika Taur Matan Ruak kondekora Medalla Póstumu Ordem D.Boaventura ba heroi boot Nicolau Lobato (1946-1978)


Prezidente Repúblika Taur Matan Ruak insígna medalla ho títulu Póstumu no Ordem Dom.Boaventura nian ba heroi boot Saudozu Nicolau Lobato, liu hosi serimonia komemorasaun tinan 100 revolta D.Boaventura no tinan 37 Proklamasaun Independênsia, loron 28 fulan Novembru, Kuarta feira ne’e iha Luak, sub-distritu Same, distritu Manufahi, ne’ebé mak reprezenta hosi nia oan mane Jose Lobato.


Kondekorasaun Ordem D.Boa Ventura nian ba saudozu Nicolau Lobato hanesan rekoñesementu no homenajen Estadu Timor-Leste nian ba lideransa no inspirasaun luta Nicolau Lobato nian hasoru okupasaun ilegal Indonezia to’o hisik nia ran hodi mate iha battala iha loron 31 Dezembru 1978.
“Kondekorasaun ba saudozu Nicolau Lobato ho títulu Póstumu i Ordem Dom.Boaventura nu’udar homenajen ba ninia lideransa no inspirasaun ne’ebé nia reprezenta ba jerasaun ita hotu nian no sira ne’ebé sei tuir mai iha loron ikus”, dehan Xefe Estadu iha nia deskursu.


Asiste serimonia kondekorasaun ne’e mak hanesan konvidadu de honra Prezidente Cabo Verde, Ministru Transporte Mosambique, Primeiru Ministru Xanana Gusmão ho nia membru governu, Prezidente Parlamentu Nasional, korpus diplomatiku, komunidade no bainaka importante sira seluk.

 

Fonte: Presidência da República de Timor-Leste

Quarta-feira, 28.11.12

Funu Manufahi nia no Independénsia país nia - Husi Hercus dos Santos

 

Istória kolonizasaun europeu sira-nia iha mundu hahú ho motivu tolu ne’ebé importante: evenzelizasaun, komérsiu no poder. Motivu tolu ne’e hanesan “motor” ne’ebé dudu navegadór sira hodi deskobre rai foun sira no mundu sira foun. Hanesan époka deskobrimentu sira-nia.


Espíritu deskobrimentu sira-nia rasik hanesan rezultadu husi époka importante ne’ebé mundu europeu atravesa. Ita ko’alia kona-bá Renasimentu. Períudu ida ne’ebé marka Idade Médiu nia rohan no inísiu ba Idade Modernu nia. Altura ida ne’ebé europeu sira hahú dezenvolve arte foun sira, siénsia sira no filozofia sira. Époka ida ne’ebé iha ézitu maka’as iha área sientífiku, arte no filozofia ne’ebé permiti ba europeu sira hodi iha vizaun foun mundu nia no permiti hahú deskobrimentu sira no to’o mós iha Timor.


Maski iha Timor iha ona komérsiu izoladu ida ho xinés sira, ligasaun ida ho reinu Majapahit nia no mós europeu balun to’o uluk iha ne’ebá. Maibé, misionáriu dominikanu sira sai hanesan portugés sira ba dala uluk maka hela no estabelese kontaktu sira ho liurai sira lokál nia. Misionáriu sira funsiona hanesan ponte ligasaun ida entre monarkia portugés no liurai lokál sira. Sira, aleinde sarani reinu prinsipál no populasaun sira, serve hanesan administradór portugés sira-nia iha teritóriu Timor nia. Iha tinan 1562, Frei António da Cruz haruka harii fortaleza iha Solor, edifísiu ne’ebé funsiona hanesan sinál inísiu husi domíniu kolonizasaun portugés nia iha illa Timor.

Kolonizasaun portugés, hanesan kolonizasaun seluk iha mundu, lori buat balun ne’ebé di’ak no balun ne’ebé ladún di’ak. Iha kolonizasaun portugés maka fortalese lejitimidade ezisténsia país ida ho naran Timor-Leste. Timoroan na’in rua ne’ebé simu Prémiu Nobel Pás nia, Dom Ximenes Belo no Dr. José Ramos Horta defende iha públiku ideia ida-ne’e. Dom Ximenes Belo iha préfasiu ba ia livru hateten katak “Bainhira iha pasadu Liurai hotu konsege hasai Portugés sira, Timor sei sai parte domíniu husi Olandés sira no ikus mai, sei halo parte Indonézia nia”.
Enkuantu Dr. Ramos Horta iha entrevista ho Cristina Buarque hateten katak “tanba kolonizasaun portugés nia maka moris nasaun ne’ebé ho naran Timor-Leste. Bainhira laiha kolonizasaun portugés, ita la hatene Timor-Leste ohin loron sai hanusa. Bele sai indonéziu, bele sai olandés, bele sai australianu”.

Parte negativu kolonizasaun nia maka sofrimentu povu nia ne’ebé hetan husi kobransa impostu nia ne’ebé maka’as no traballu forsadu. Ne’e hanesan motivu sira importante ba tentativa hasai portugés sira husi Timor ne’ebé hahú iha tinan 1719 ho aliansa ida Liurai sira timoroan nia hodi hasai portugés sira iha Timor.


Hahú momentu ne’ebá iha beibeik revolta sira iha teritóriu tomak. Tanba ne’e, tuir ha’u nia haree, tenki hatene loron aliansa ne’ebé estabelese entre Liurai sira Timor nia atu nune’e ita bele komemora hanesan loron importante ida iha Timor-Leste.

 

Revolta Manufahi

Revolta Manufahi D. Boaventura nia iha tinan 1911 mosu mós tanba fatór importante rua ne’e. Nia aman, tinan sanulu-resin-neen antes”, organiza revolta ida hasoru governu portugés iha tinan 1895 ho razaun sira ne’ebé hanesan. Funu ne’e lidera husi D. Boaventura ne’ebé dura tinan ida no halo ema mate hamutuk entre na’in 1500 to’o 2000, haktuir livru D. Ximens Belo nia ho títulu "Os Antigos Reinos de Timor-Leste”.

Revolta Manufahi nia iha dimensaun boot iha teritóriu Timor nia. Ita bele konsidera katak revolta D. Boaventura hanesan revolta boot ida iha Timor-Leste no simboliza konsiensializasaun ba identidade própriu ida timoroan nia, nasaun ida no povu ida livre no independente.

Ne’e hanesan inísiu movimentu anti-koloniál nia, intelektuál sira timoroan nia konsidera katak sira-nia luta ba independénsia hetan inspirasaun husi revolta D. Boaventura Manufahi nia. No hanesan atu simbóliku nia, sira hala’o enkontru ida ho D. Boaventura nia viúva.

 

Iha Tinan 1975

Iha tinan 1975, kuaze família reál sira Timor nia sofre tanba kolonizasaun portugés nia no hakohak movimentu anti-koloniál no sai hanesan membru sira Fretilin nia. Pelu menus, akontese hanesan ne’e iha reinu ha’u nia bei’ala sira, Funar, reinu ida ne’ebé konsidera revoltozu iha mapa revolta sira Portugal nia no iha tinan 1907 tropa portugés sira hakarak destrui reinu ne’e. Ha’u nia família, husi ha’u nia aman no mós ha’u nia inan, tanba iha ema ida iha família, D. João da Cruz, kastigu iha Ataúro no halo parte iha Fretilin, hanesan mós família D. Boaventura nia.

Iha sentidu ne’e, ha’u hakarak halo omenajen ba D. João da Cruz, Liurai Funar nia husi Uma Fukun Manehi’ak nia ne’ebé hetan kastigu iha Ataúro. Ha’u nia tiu sira, maun-alin ha’u nia inan nia maka hatene kona-bá razaun verdadeiru ba kapturasaun D. João da Cruz nia no mós nia kastigu iha illa Ataúro. Maibé lia-loos ida maka D. João da Cruz nia oan mane, ne’ebé hanesan ha’u nia bizavó nia primu, estuda iha koléjiu Lahane nia, lakon. Enkuantu D. Boaventura nia aman molok halo revolta, haruka na’ok nia oan mane, futuru D. Boaventura, husi koléjiu hanesan no lori ba reinu Manufahi nia, nune’e hetan protesaun husi vingansa sira revolta nia.

Ha’u hatene katak istória kolonizasaun portugés nia iha Timor iha revolta barak, traisaun, akuzasaun sira ne’ebé falsu, kaer no mate ne’ebé la favorese ba poder governu portugés nia. Maibé la bele haluha katak Portugal sempre halo nia dever hodi defende auto-determinasaun Timor-Leste nia. Ka Revolusaun Kravu nia ne’ebé lidera husi kapitaun sira ezérsitu portugés nia, iha ámbitu domíniu polítiku eskerda nia iha hanesan objetivu prinsipal ida maka auto-determinasaun povu kolonizadu sira.

Iha tinan 1975, prosesu auto-determinasaun iha Timor-Leste “interompe” ho invazaun Indonézia nia. Portugal, laiha demora, aprezenta kedas kazu Timor nia iha Asembleia Jeral Nasaun Unidu nia.

Nune’e rezisténsia timoroan nia iha bandeira diplomasia portugés nia lalatak iha mundu. Hodi reprezenta luta rezisténsia timoroan nia Portugal maka asina akordu 5 de Maio ho Indonézia ho intervensaun Nasaun Unidu nia.

Iha istória kolonizasaun nia, buat di’ak no buat ladún di’ak, hahú husi espíritu Deskobrimentu sira-nia ne’ebé mosu iha époka Renasimentu nia laran. La’ós atu haree lia-loos maibé atu konta de’it Istória. Ne’e hanesan tentativa ida hodi tau hamutuk pesa sira ne’ebé namkari iha realidade pasadu nia, iha tempu determinadu no espasu ida no nune’e ita hein katak bele aproveita ba buat di’ak iha loron ohin nia.
Ohin loron Timor-Leste livre no independente rezultadu husi ema hotu ne’ebé fó nia moris ba ita-nia país hodi halo hamriik Timor-Leste hanesan país ida hanesan ho nasaun seluk iha mundu.
Hatene onra asuwa’in sira no ema hotu ne’ebé luta ba Independênsia país nia hanesan buat ida ne’ebé murak husi sidadaun sira-nia no Estadu nia. Obrigadu


Bibliografia

Belo, Dom Carlos Filipe Ximenes Belo, SDB, Os Antigos Reinos de Timor-Leste, Reys de Lorosay e Reys de Lorothoba, Coronéis e Datos, Edição Tipografia Diocesana Baucau, 2011.
Marques, A. H. de Oliveira, História dos Portugueses no Extremo Oriente, Fundação Oriente, 3º volume.
PELISSER, René, Timor em Guerra. A Conquista Portuguesa 1847-1913, Editorial Estampa, Lisboa, 2007.
Internet
http://revistaestudospoliticos.com/timor-leste-dez-anos-depois-da-independencia-entrevista-com-ramos-horta-por-cristina-buarque-de-hollanda/

Diskursu husi S. E. Prezidente Taur Matan Ruak

 

 

Exelénsias,
Povo doben Timor Leste nia oan tomak:


Uluk nanain ha’u nia hakoak boot ba imi hotu no povu Timor Leste nia oan tomak, iha serimónia ne’ebé ita selebra tinan 37 dezde proklamasaun independénsia no tinan atus ida dezde Liurai Dom Boaventura mate.

Ha’u nia hakoak mos ba Manufahi nia oan sira hotu, iha Dom Boaventura no proklamador Xavier do Amaral nia rain, no hato’o hau nia obrigadu ba imi hotu tanba imi nia laran-luak no laran-kmanek hodi simu ita-nia bainaka sira hotu, tanto nasionál no internasionál, ne’ebé partisipa ho laran kmanek iha loron no fatin especial ida ne’e.

Ha’u laran-ksolok tebes, tanba ba dala uluk, ita selebra 28 Novembru iha distritu ida i la’os iha Dili. Ba dala uluk mós, katuas lian-na’in husi distritu 13 hola parte iha komemorasaun ida ne’e hodi Nahe Biti Boot ho tema: Haluha Pasadu, Hateke ba Futuru. Ha’u hato’o saudasaun espesial ba lian-na’in sira no haksolok tebes ho Ita-Boot sira nia prezensa hodi ita hamutuk hateke ba Timor-Leste ninia futuru no futuru ita tomak nian.


Ita selebra daudaun akontesimentu importante ida iha ita nia Istória ke iha ligasaun ho dezemvolvimentu no formasaun identidade nasaun Timor-Leste nian.

La kleur, ita sei selebra mos tinan atus lima ne’ebé ba dala uluk Timoroan no Portugés sira hasoru malu, i hahú husi ne’ebá misionáriu portugés sira komesa fahe fiar cristaun iha bei’ala sira nia leet.
Kontaktu durante tempu naruk ho Portugál no Portugés sira, ita nia identidade hahú buras liu tan husi Fiar Cristaun no Lian Portugés.

Lian Portugés hametin relasaun Timoroan sira nian no família povu maun-alin sira, ne’ebé fó sira-nia amizade no apoiu internasionál ba ita luta ba libertasaun. Liu tiha restaurasaun independénsia, sira kontinua akompaña no apoia ita hodi harii ita-nia Estadu. Ha’u hato’o saudasaun especial ida ba Xefe-Estadu husi nasaun ida CPLP nian, señor Prezidente Jorge Fonseca, husi Kabu Verde, ne’ebé fó onra ba ita hodi hi’it an mai Same, hamutuk iha komemorasaun ida nee.
Ita hanoin Liurai Dom Boaventura nia luta kontra podér koloniál. Dom Boaventura nia luta, maske sai dezafiu boot kontra administrasaun koloniál, la hetan konsensu husi reinu sira, no iha realidade sai nu’udar hakat ba dala uluk iha ida ne’ebé sai naruk tebes.


Aspirasaun ba liberdade iha ita-nia sosiedade la mate ho Dom Boaventura, no ita-nia jerasaun maka hetan knaar lulik ida ne’e, hodi ikusmai, halo mehi ida ne’e sai duni realidade.


Iha 1974, lideransa Fretilin nian mai iha ne’e vizita no rona Dom Boaventura nia feto-faluk – gesto ida ne’ebé hatudu liurai ne’e ninia hanoin no kbiit, tinan neenulu-resin-rua liutiha nia mate.

Konta katak Dom Boaventura nia feto-faluk, ne’ebé ferik loos ona, dehan ba vizitante sira iha 1974 katak “loriku sira lian filafali ona”, no ida ne’e signifika esperansa no ksolok ne’ebé moris hi’as iha timoroan sira-nia laran tanba nasionalizmu foun.


Iha realidade, ita tenke funu tan iha tinan 24 nia laran atu loriku sira bele lian iha liberdade nia laran. Maibé iha funu ida ne’e, unidade ita nian buras no metin liu. Lori tinan 24 Funu hodi hetan buat ida ne’ebé ita hetan tiha ona, lori tinan 24 mak manán fila-fali ita-nia independénsia. Kondekorasaun ba saudozu Nicolau Lobato ho títulu póstumu i no Ordem Dom Boaventura nu’udar omenajen ba ninia lideransa no inspirasaun ne’ebé nia representa, ba gerasaun ita hotu nian no sira ne’ebé sei tuir mai iha loron ikus.


Iha 2002, ita hamutuk hahú projetu nasionál foun ida, no husik ona ba kotuk naksalak sira uluk nian.
Ita manán ita-nia independénsia tanba ita aprende hametin ita-nia unidade. Hanesan uluk ha’u dehan tiha ona no dehan beibeik, husi ita-nia istória no ha’u-nia esperiénsia rasik iha funu, aprende lisaun katak fahe malu entre timoroan sira fasilita okupasaun, tanto iha Bei’ala sira nia tempu no mos tempu ita nian. Unidade ita nian lori ita ba vitória, mezmu kuandu ema hotu-hotu kontra ita. Timor-Leste manán tanba determinasaun no unidade ninia povu nian.


Restaurasaun ita nia independénsia, tinan 10 liubá, loke dalan ba rekonsiliasaun, moris husi aktu demokrátiku ida – referendu 1999, ne’ebé mai husi vontade forte no sakrifísiu ita nia povu nian.
Pás ne’ebé ita hetan no hametin, rekonsiliasaun nasionál ne’ebé ita hala’o, esensiál tebes atu hametin estabilidade no konsege hetan objetivus dezenvolvimentu nian. Buat sira ne’e hotu indispensavel tebes ba prosesu integrasaun Timor-Leste nian iha Comunidade Internasional nia leet.

Timor-Leste, nu’udar demokrasia foun ne’ebé mosu iha sékulu XXI, konsegue ho susesu integra nia an iha rejiaun no mundo.
Ita-nia polítika ba rekonsiliasaun fo kbiit mos ba ita, atu harii, dezde hahú, relasaun viziñansa di’ak, amizade no kooperasaun ho nasaun sira iha rejiaun, inklui viziñu sira ne’ebé besik liu ita.


Ita harii tiha ona relasaun metin ho Indonézia no Austrália, iha nivel bilaterál no multilaterál, ne’ebé kontribui atu reforsa seguransa no estabilidade rejionál no atu kombate no prevene kriminalidade tranznasionál iha ita-nia rejiaun.
Ita iha relasaun bilaterál ne’ebé dinámiku ho viziñu sira hotu ASEAN nian, liuliu Filipinas, Malázia, Tailándia no Singapura. Ita hakarak hakle’an tan ita-nia relasaun ho rejiaun, liuhusi ita-nia adesaun ba ASEAN.

Restaurasaun independénsia haluan tan kooperasaun ho nasaun maun-alin sira CPLP nian, organizasaun ne’ebé Timor-Leste sei iha onra hodi prezide no lidera iha tinan 2014-16.


Ita iha relasaun forte no metin ho Xina no Estadus Unidus – ne’ebé Sekretária Estadu Srª Hillary Clinton, fó onra ba Timor-Leste iha tinan ida ne’e ho ninia vizita; no mós ho Japaun, Repúblika Koreia, Nova Zelándia, Brazíl, Kuba, Portugál, Irlandia, Uniaun Europeia no Estadu sira seluk ne’ebé halo parte. Dala ida tan, ha’u hato’o parabéns ba Uniaun Europeia tanba simu, iha tinan ida ne’e, Prémiu Nobel Pás nian.


Prémiu Nobel hanesan rekonhesimentu ida ba buat ne’ebé Uniaun Europeia halo – no husi Komunidade husi Europa, ne’ebé iha uluk – hodi dezenvolve kooperasaun pasífika entre estadu sira no hodi harii, durante tinan neenulu ikus ne’e, zona seguransa no moris di’ak iha Europa, ne’ebé uluk laiha, ne’ebé iha impaktu pozitivu tebes iha relasaun internasionál tomak.


Ha’u hakarak manifesta ha’u-nia rekoñesimentu ba nasaun sira husi Europa no ba parseiru dezenvolvimentu selseluk ne’ebé uluk kontribui tiha ona ka sei kontribui nafatin atu hala’o dezenvolvimentu iha ita-nia rain, liuhusi Nasoins Unidas, PNUD no ajénsia internasionál sira seluk no mos iha nivel bilaterál.
Timor-Leste no Nasoins Unidas estabelese parseria ida ne’ebé di’ak tebes. Ha’u hahi’i señór Finn Reske Nielsen, reprezentante interinu Sekretáriu-Jerál Ban Ki-moon nian, no funsionáriu sira UNMIT liuliu ba buat ne’ebé halo ona, atu retirada Missaun ONU nian, bele hetan susesu.
Kooperasaun ho Nasoins Unidas sei kontinua, ho forma foun, ne’ebé sei adapta ba situasaun dame no estabilidade ne’ebé ita alkansa ona i sei konsentra liuliu atu hametin instituisaun Estado nian no dezenvolvimentu ekonómiku.

Exelénsias,
Povu doben Timor-Leste nian:

Unidade ita nian, uluk sai nu’udar kondisaun estratéjiku ida ba vitória no ba restaurasaun ita-nia Independénsia Nacional. Ohin, unidade kontinua nu’udar kondisaun estratéjiku ida ba ita atu hetan susesu iha ita-nia objetivu nasionál atu harii futuru ida kmanek ba ita no ita rain.


Uluk ita funu atu hetan seguransa no moris di’ak ba timor-oan sira. Agora, tempu to’o ona atu fó signifikadu tomak ba independénsia ne’ebé ita hetan, atu garante seguransa no moris di’ak, ita presiza servisu maka’as no la para atu dezenvolve ita-nia rain.


Timor-Leste iha rekursu barak. Maibé atu aproveita rekurso sira-ne’e no halo ita-nia nasaun sai rain ida ne’ebé seguru no prósperu liután, ita sei presiza unidade no servisu maka’as. Hanesan uluk ha’u dehan bainhira simu knaar nu’udar Prezidente, buat ne’ebé natureza fó ba ita tenke rega ho kosar-been no esforsu. Uluk, vitória ezije fakar raan no ita-nia luta. Agora, Vitória ezije husi ita hotu, kosar been suli no badinas atu servisu. I atu manán iha luta foun ida ne’e, ita presiza tempu, unidade iha hanoin no hahalok i servisu maka’as husi ita hotu.
Knaar ne’ebé iha ita-nia oin sei la mosu prontu derrepente de’it se ema la book an. Sidadaun hotu-hotu tenke kontribui.
Estadu tenke hadi’ak ho urjénsia ita-nia eskola sira. Maibé se família sira la mobiliza an atu apoia labarik sira-nia edukasaun, rezultado sei la mosu.
Estadu haluan dadaun rede ba kuidadu saúde nian. Iha 2013, ita sei iha médiku timoroan kuaze rihun ida ne’ebé serbisu iha território nasionál tomak. Maibé, se família sira la mobiliza an ita sei la hamenus susuk, nén bele garante katak uma sira no ambiente iha aldeia sira moos, hodi hamenus moras no hadi’ak populasaun nia saúde.

Investimentu iha agrikultura nasionál, atu bele aumenta produsaun, konserva no rai ai-han ho diak, no fa’an produtu Timór-oan sira nian, hodi hamosu seguransa ai-han iha ita-nia rain no hamenus dependénsia ekonómiku husi rai seluk. Mas para bele hetan resultadu di’ak, investimentu sira ne’ebé ita halo tenke hetan mos partisipasaun agrikultór sira nian.


Ita-nia dezenvolvimentu ezije ita fó atensaun liuliu ba zona sira ne’ebé servisu Estadu nian seidauk to’o bá. Ita tenke investe hodi kria polu dezenvolvimentu iha fatin-fatin, atu hamosu empregu no habiit ekonomia lokál. Estrada sira tenke sai di’ak liu tan. Ita tenke servisu hodi lori mai iha distritu sira: infraestrutura hirak-ne’ebé iha kualidade, bee ho saneamentu, eletrisidade, internet, eskola sira ne’ebé di’ak liu.

Só mobilizasaun no partisipasaun sidadaun no komunidade lokál sira tomak nian, mak bele ajuda atu asegura katak investimentu ne’ebé halo implementa duni ho di’ak, infraestrutura no servisu sira ne’ebé Estadu halo povu bele aproveita.
Partisipasaun sidadaun sira nian importante tebes atu haboot ekonomia setór privadu ne’ebé ho kbit atu loke servisu ne’ebé ita-nia rain presiza tebes.


Foin-sa’e sira, veteranu sira, no grupu selseluk ne’ebé iha kondisaun atu sai ativu no badinas liu tan seidauk integra an tomak iha ekonomia nasionál. Sira-nia partisipasaun importante tebes ba ita-nia dezenvolvimentu.
Povu labele tuur hodi hateke de’it dezenvolvimentu nasaun nian. Povu tenke sai autór no responsável iha prosesu dezenvolvimentu hodi serbí komunidade sira.


Atu mobiliza sidadaun no sosiedade sivíl sira ita presiza justisa. Ita tenke aproveita didiak rekursus nasaun nian hodi fahe rikusoin ho diak no hanesan.


Atu manán, hodi iha seguransa no moris di’ak, ita tenke servisu ho onestidade no hala’o ita-nia moris ho simplisidade. Ita tenke respeita valór tradisionál sira, nune’e mos ita tenke hatene aproveita vantajen husi matenek foun siénsia no teknolojia nian atu dezenvolve ita-nia nasaun no hadi’ak ita-nia moris.


Husu atu ita hotu servisu hamutuk no ho laran, badinas no sakrifika an liu tan, atu ita bele uza ho di’ak rikusoin ne’ebé ita nia Nasaun iha atu dezenvolve di’ak liu tan ita-nia ekonomia, hamenus kiak no hari Nasaun ida ne’ebé hakmatek no moris diak.
Maromak haraik bensaun ba povu Timor-Lesye tomak no mos ita sira ne’ebé hamutuk iha fatin ida ne’e. Obrigadu barak.

 

Fonte: Presidência da República de Timor-Leste

Foto: Lusa@ António Amaral

Declarações Dr. Mari Alkatiri

A nova estátua de Dom Boaventura

A Guerra de Manufahi e a Independência - por Hercus dos Santos

 

A história da colonização dos europeus no mundo começou por três motivos importantes: a evangelização, o comércio e o poder. Estes três motivos eram como se fosse o “motor” que empurra os navegadores a descobrir novas terras e novos mundos. Era a época dos descobrimentos.
O espírito dos descobrimentos em si era fruto de uma época importante que o mundo europeu atravessou. Estamos a falar sobre o Renascimento. Um período que marca o fim da Idade Média e início da Idade Moderna. Uma altura em que os europeus começaram por desenvolver novas artes, ciências e filosofias. Uma época de grande êxito científico, arte e filosofia que permitiu aos europeus ter uma nova visão do mundo, que permitiu aos europeus, começar os descobrimentos e chegar também até Timor.

Mesmo em Timor já houve um comércio esporádico com os chineses, uma ligação com o reino de Majapahit e até alguns europeus já lá chegaram antes. Mas, os missionários dominicanos foram os primeiros portugueses a ficar e a estabelecer os contactos com os reis locais. Esses missionários funcionavam como ponte de ligação entre a monarquia portuguesa e os reis locais. Eles, além de baptizarem os principais do reino e a população, serviam como administradores portugueses no território de Timor. Em 1562,  Frei António da Cruz mandou construir a fortaleza de Solor um edifício que funcionava como um  sinal do início do domínio da colonização portuguesa na ilha de Timor.

A colonização portuguesa, como qualquer colonização do mundo,  trouxe algo de bom e algo de menos bom. Foi com a colonização portuguesa que se consolidou a legitimidade da existência de um país com o nome de Timor-Leste. Os dois timorenses laureados do Prémio Nobel da Paz, Dom Ximenes Belo e Dr. José Ramos Horta vieram ao público a defender claramente essa ideia. Dom Ximenes Belo no prefácio do seu livro diz que “Se no passado todos os Liurais tivessem conseguido expulsar os Portugueses, Timor seria parte dos domínios dos Holandeses e mais tarde, parte da Indonésia”.

Enquanto o Dr. Ramos Horta na entrevista a Cristina Buarque diz que “por causa da colonização portuguesa nasceu esta nação que se chama Timor-Leste. Sem a colonização portuguesa, não saberíamos o que seria o Timor Leste hoje. Podia ser indonésio, podia ser holandês, podia ser australiano.”

O lado negativo da colonização era o sofrimento do povo causado pela cobrança de pesados impostos e de trabalho forçado. Esses eram os principais motivos da tentativa da expulsão dos portugueses de Timor iniciada em 1719 , com uma aliança dos Reis timorenses para expulsar os portugueses de Timor.

A partir desse momento em diante houve sempre revoltas em todo o território. Por isso, do meu ponto de vista, é preciso saber a data dessa aliança estabelecida entre os Reis de Timor para pudermos comemorar também como uma data importante em Timor-Leste.

 

A Revolta de Manufahi

 

 

A revolta de Manufahi de D. Boaventura, em 1911,  também tem como causa estes dois factores principais. Já o seu pai, dezasseis anos antes, organizou uma revolta contra o governo português, em 1895, pelas mesmas razões.

 

A guerra liderada por D. Boaventura durou um ano e provocou entre 1500 a 2000 mortos,  segundo o livro de D. Ximenes Belo intitulado “Os Antigos Reinos de Timor-Leste”.

A revolta de Manufahi tem grande dimensão no território de Timor. Podemos considerar que a revolta de Dom Boaventura é a maior de revolta em Timor-Leste e simboliza a consciencialização para uma identidade própria timorense , uma nação e um povo livre e independente.

Daí que no inicio do movimento anti-colonial os intelectuais timorenses que estiveram na sua origem tenham considerado que a sua luta pela independência era inspirada na revolta de D. Boaventura de Manufahi. E como um acto simbólico, marcaram um encontro com a viúva de D. Boaventura.

 

 

A partir de 1975

Em 1975, a maioria das famílias reais de Timor que sofreu por causa da colonização portuguesa abraçou o movimento anti-colonialista e tornaram-se  membros da Fretilin. Pelo menos foi assim que aconteceu, no reino dos meus antepassados, Funar, um reino considerado revoltoso no mapa das revoltas de Portugal e que em 1907 estava marcado para ser dizimado pelas tropas portuguesas. A minha família tanto do lado paterno como materno, por terem um familiar , D. João da Cruz ,  aprisionado em Ataúro, fazia parte da Fretilin , tal como a família de D. Boaventura.

Nesse sentido, presto a minha homenagem ao D. João da Cruz, rei de Funar, da Casa Real de Manehi’ak, que foi aprisionado em Ataúro. Qual era a verdadeira razão da sua captura e do seu aprisionamento na ilha de Ataúro cabe apenas aos meus tios, irmãos da minha mãe, a saber. Mas a verdade é que o filho de D. João da Cruz, que era o primo do meu bisavô, e que estava a estudar no Colégio de Lahane, desapareceu. Enquanto o pai de D. Boaventura antes de fazer revolta mandou raptar o seu filho, o futuro D. Boaventura, desse mesmo colégio para o reino de Manufahi, afim de ficar protegido das represálias da revolta.

Sei que a História da colonização portuguesa em Timor é composta por revoltas, traição, acusações falsas, aprisionamento e morte dos que não favoreciam o poder do governo português. Mas não se pode esquecer que Portugal sempre assumiu o seu dever em defender a auto-determinação de Timor-Leste. Ou seja a Revolução dos Cravos que foi liderada por capitães do exército português, num âmbito do domínio da política da esquerda teve como um dos principais objectivos a auto-determinação dos povos colonizados.

Em 1975, o processo de auto-determinação em Timor-Leste foi “interrompido” pela invasão da Indonésia. Portugal, sem demorar, logo apresentou o caso de Timor na Assembleia Geral das Nações Unidas.

A resistência timorense ficou assim sob sombra da bandeira da diplomacia portuguesa no mundo. Foi Portugal na representação dessa luta resistência timorense que assinou o Acordo de 5 de Maio com Indonésia sob intervenção das Nações Unidas.

Na história da colonização, de bom ou de menos bom, tudo começou pelo espírito dos Descobrimentos que surgiu dentro da época do Renascimento. Não se trata aqui de apurar a Verdade das coisas, mas apenas de contar a História. E esta é uma tentativa de juntar as peças espalhadas da realidade passada , num determinado tempo e  espaço e daí esperamos que possam tirar o proveito para o bem de hoje.

Timor-Leste hoje é livre e independente fruto de todos que deram a sua vida pelo nosso país para fazer erguer Timor-Leste como um país igual aos outros do mundo. Saber honrar os heróis e todos os que lutaram pela Independência do país é algo bem nobre dos cidadãos e do Estado. Obrigado


Bibliografia:
Belo, Dom Carlos Filipe Ximenes Belo, SDB, Os Antigos Reinos de Timor-Leste, Reys de Lorosay e Reys de Lorothoba, Coronéis e Datos, Edição Tipografia Diocesana Baucau, 2011.


Marques, A. H. de Oliveira, História dos Portugueses no Extremo Oriente, Fundação Oriente, 3º volume.
PELISSER, René, Timor em Guerra. A Conquista Portuguesa 1847-1913, Editorial Estampa, Lisboa, 2007.


Internet
http://revistaestudospoliticos.com/timor-leste-dez-anos-depois-da-independencia-entrevista-com-ramos-horta-por-cristina-buarque-de-hollanda/

Celebração Independência - 100 Anos Revolta Manufahi ( 1912-2012)

Discurso de S. E. Presidente Taur Matan Ruak Same - 28 de Novembro

 

 

 

 

Excelências,
Povo Amado de Timor-Leste:

Começo por abraçar todos vós, povo de Timor-Leste, nesta cerimónia em que assinalamos os 100 anos do falecimento do liurai Dom Boaventura e os 37 anos da proclamação da independência.


Abraço os filhos e filhas de Manufahi, terra de Dom Boaventura e do proclamador Xavier do Amaral, e agradeço a todos a hospitalidade e a forma calorosa como acolhem tantos convidados, nacionais e internacionais.
Vejo com satisfação que, pela primeira vez, comemoramos o 28 de Novembro num distrito, fora de Díli. Também pela primeira vez, participam nas comemorações os anciãos dos 13 distritos, sob o lema Nahe Biti Bo’ot - Esquecer o Passado, Olhar para o Futuro. Saúdo os anciãos e a unidade em torno do futuro de Timor-Leste.

Estamos a comemorar acontecimentos da história que tiveram grande importância na formação da identidade da nação timorense.
Em breve, vamos também comemorar os 500 anos passados desde o primeiro encontro de timorenses e portugueses, cujos missionários começaram por partilhar a fé cristã com os nossos antepassados. Do longo contacto com Portugal e os portugueses, a nossa identidade guardou no coração o Cristianismo e a Língua Portuguesa.

A Língua Portuguesa une os timorenses a uma família de povos irmãos, que nos deram a amizade e apoio internacional na luta de libertação. Depois da restauração da independência, continuaram a acompanhar-nos e a apoiar-nos na construção do Estado. Saúdo o Chefe de Estado de um país da CPLP, o senhor Presidente Jorge Fonseca, de Cabo Verde, que nos deu a honra de vir a Same, associar-se à nossa comemoração.
Evocamos a luta do liurai Dom Boaventura contra o poder colonial. A luta de Dom Boaventura, embora tenha lançado um desafio poderoso à administração colonial, não teve o consenso dos reinos e foi, na verdade, o primeiro passo de um longo caminho.
A aspiração à liberdade na nossa sociedade não morreu com Dom Boaventura e foi a nossa geração que teve o dever sagrado de realizar, finalmente, esse sonho.

Em 1974, a liderança da Fretilin veio aqui, visitar e ouvir a viúva de Dom Boaventura – um gesto que mostra a força da ideia deste liurai, sessenta e dois anos após a sua morte. Conta-se que a viúva de Dom Boaventura, já de idade avançada, comentou para os visitantes de 1974 que “os loricos voltaram a cantar”, significando a renascença da esperança e da alegria que o novo nacionalismo trouxe ao coração dos timorenses.
Na realidade, tivémos de lutar ainda outros 24 anos para os loricos poderem cantar em liberdade. Mas nesta luta, o povo esteve unido e firme. Foram 24 anos de luta por uma conquista que já tínhamos feito, 24 anos em que partimos à reconquista da independência. A condecoração do saudoso Nicolau Lobato a título póstumo com a Ordem de Dom Boaventura é uma homenagem à sua liderança decisiva e à inspiração que representa, para toda a nossa geração e as gerações futuras.

Em 2002, estávamos já unidos num projeto nacional novo, e estavam ultrapassadas as divisões do passado.
Ganhámos a independência porque aprendemos a estar unidos. Como afirmei anteriormente, da nossa história e da minha experiência na luta, retiro a lição de que a divisão entre timorenses facilitou a ocupação, no passado antigo e no recente. A unidade do povo conduziu às vitórias, mesmo quando tudo parecia estar contra nós. Timor-Leste venceu pela unidade e firmeza do seu povo.
A Restauração da Independência, há 10 anos, que abriu o caminho à reconciliação, nasceu de um ato democrático – o referendo de 1999, imposto pela vontade forte e o sacrifício do nosso povo.

A paz que alcançámos e a reconciliação nacional que realizámos são essenciais para consolidar a estabilidade e atingir os objetivos do desenvolvimento. Foram também indispensáveis ao processo da perfeita inserção internacional do país. Timor-Leste, a primeira democracia nascida no século XXI, realizou uma inserção regional e internacional bem sucedida.
A política de reconciliação permitiu-nos, também, construir, desde o princípio, boas relações de vizinhança, amizade e cooperação com os países da região, incluindo os vizinhos mais próximos.


Construímos fortes relações com a Indonésia e a Austrália, a nível bi-lateral e multi-lateral, que contribuem para o reforço da segurança e a estabilidade regionais e para o combate e prevenção da criminalidade transnacional na região.


Temos relações bi-laterais dinâmicas com todos os vizinhos da ASEAN, em especial as Filipinas, Malásia, Tailândia e Singapura. Queremos aprofundar as nossas relações regionais, com a entrada do país na ASEAN. A restauração da independência alargou a cooperação com os países irmãos da CPLP, organização a que Timor-Leste terá a honra de presidir no biénio de 2014-16.


Temos relações estreitas com a China e os Estados Unidos – cuja Secretária de Estado Srª Hillary Clinton, honrou este ano Timor-Leste com a sua visita; e também com o Japão, República da Coreia, Nova Zelândia, Brasil, Cuba, Portugal, Irlanda, a União Europeia e os outros Estados que a compõem. Renovo as minhas felicitações pela atribuição, este ano, do Prémio Nobel da Paz à União Europeia.


Este Nobel corresponde ao reconhecimento do papel insubstituível da União Europeia – e das Comunidades Europeias, que a antecederam – no desenvolvimento da cooperação pacífica entre Estados e na construção, desde há 60 anos, de uma zona de segurança e bem-estar na Europa como nunca existira, a qual tem impacto positivo alargado nas relações internacionais.


Quero manifestar o meu reconhecimento aos países europeus e outros parceiros de desenvolvimento que contribuíram ou contribuem para a realização dos nossos projetos, através das Nações Unidas, da UNDP e outras agências internacionais e a nível bi-lateral.

Timor-Leste e as Nações Unidas estabeleceram uma parceria exemplar. Cumprimento o senhor Finn Reske Nielsen, representante em exercício do Secretário-Geral Ban Ki-moon e o pessoal da UNMIT pela boa forma como está a decorrer a retirada faseada da missão.
A cooperação estreita com as Nações Unidas vai continuar, sob novas formas, adaptadas à situação de paz e estabilidade que alcançámos e com foco no apoio ao reforço institucional e ao desenvolvimento económico.


Excelências,
Povo Amado de Timor-Leste:


A unidade do povo foi a condição estratégica da vitória e da restauração da Independência. Hoje, a unidade continua a ser a condição estratégica para o êxito do nosso desígnio nacional e a construção do futuro.


Lutámos para conseguir mais segurança e bem-estar para os timorenses. Chegou agora o tempo de dar sentido pleno à independência e, para garantir mais segurança e bem-estar, precisamos de desenvolver o país.


Timor-Leste tem muitos recursos. Mas para aproveitar esses recursos e tornar o nosso país uma terra mais segura e próspera são necessários a unidade do povo e muito trabalho. Como vos disse quando tomei posse, as dádivas da natureza têm de ser regadas com o suor do nosso esforço. No passado, a vitória exigiu sangue e luta. Hoje, a vitória exige, de todos nós, suor e trabalho. Para vencer as novas batalhas precisamos de tempo, de unidade de propósito e do trabalho de todos.


As tarefas que temos pela frente não aparecem feitas sozinhas. Todos os cidadãos têm de contribuir.
O Estado deve melhorar urgentemente as nossas escolas. Mas sem a mobilização das famílias para apoiar a educação das crianças, a escola não terá os melhores resultados.


O Estado está a alargar a rede de cuidados de saúde. Em 2013, vamos ter próximo de mil médicos timorenses a trabalharem em todo o território nacional. Mas sem a mobilização das famílias, não é possível reduzir os mosquitos e as picadas, nem garantir a limpeza das casas e do ambiente das aldeias para reduzir as doenças e melhorar a saúde da população.


O investimento na agricultura nacional, para o aumento da produção e a conservação e comercialização de produtos timorenses, trazem maior segurança alimentar ao nosso país e são mais-valias fundamentais para o reforço da soberania e a redução da dependência económica. Mas para darem resultado pleno, os investimentos têm de envolver a participação dos próprios agricultores.

O nosso desenvolvimento requer maior atenção às zonas do país onde os serviços do Estado ainda não chegaram. Temos de investir em pólos de desenvolvimento em várias regiões, para criar empregos e estimular as economias locais. As estradas têm de melhorar rapidamente. Temos trabalhar para trazer aos distritos infraestrutras com qualidade, água de qualidade, saneamento, eletricidade, internet, escolas melhores.
Só a mobilização dos cidadãos e das comunidades locais, pode ajudar a assegurar que os investimentos feitos são bem implementados e as infraestruturas e serviços do Estado bem aproveitados.


A participação dos cidadãos é indispensável para o alargamento do setor privado da economia e só ele terá capacidade para gerar os postos de trabalho de que o país precisa. Os jovens, os veteranos e outros grupos com condições para serem mais ativos e dinâmicos não estão plenamente integrados na economia nacional. A sua inclusão é indispensável ao nosso desenvolvimento.

O povo não é simples espectador do desenvolvimento do país. O povo tem de tornar-se o autor e responsável do processo de desenvolvimento ao serviço da comunidade. Para mobilizar os cidadãos e a sociedade civil precisamos de justiça. Temos de aproveitar os recuros do país e temos também de redistribuir a riqueza com justiça.


Para ganharmos as batalhas da segurança e do bem-estar do país, precisamos de trabalhar com honestidade e viver com simplicidade. Devemos respeitar os valores tradicionais, ao mesmo tempo que tiramos vantagem dos novos conhecimentos da ciência e tecnologia para desenvolver o país e melhorar o bem-estar.


Apelo a todos para trabalharmos unidos com seriedade, honestidade e capacidade de sacrifício, para usarmos as riquezas da Nação para desenvolver verdadeiramente a economia, reduzir a pobreza e construir um país melhor, mais seguro e mais próspero.

 

Que Deus abençoe o povo de Timor-Leste e todos os presentes.
Muito obrigado.

 

Fonte: Presidência da República de Timor-Leste

Foto: Lusa@ António Amaral

Terça-feira, 27.11.12

Cerimónia de 100 Anos Dom Boaventura começa com “Nahe Biti Boot”

A celebração de 100 anos Revolta de Manufahi que se celebra em Same , vai começar com uma cerimónia tradicional “Nahe Biti Boot” feita pelos líderes tradicionais dos 13 distritos.

A cerimónia tem como objectivo tirar todos os pecados que os antigos deixaram no momento da Revolta de Manufahi.
 
O vice Primeiro-Ministro, Fernando La Sama de Araújo, que representa o Governo, apresentou esta cerimónia tradicional e disse que antigamente os nossos avós guardaram ódios antigos que agora através desta cerimónia ritual se pretendem redimir, unindo todos os timorenses para a promoção e desenvolvimento de Timor-Leste.
 
“Estou muito feliz porque podemos fazer a reconciliação,  porque antigamente os nossos avós guardaram o ódio e hoje somos um só  para desenvolver o nosso querido país, Timor – Leste”, disse La Sama no discurso na sexta-feira (23/11) na aldeia Luak, no distrito de Same.
 
La Sama elogiou também os Heróis Nacionais que ofereceram as suas vidas para a independência de Timor-Leste.
 
Nesta cerimónia “Nahe Biti Boot”, cada distrito vai fazer “hamulak” e deixar uma mensagem para a reconciliação em cada dialecto e cumprindo os rituais de cada distrito. A mensagem revela como a guerra de Dom Boaventura é a primeira guerra para libertar Timor dos colonizadores em 1912, sendo essa luta continuada no ano de 1975 , até hoje que ganhámos a nossa Independência. (CJITL/ Benny).

 

Powered by:

SAPO Timor

Vídeo Herdeiros Manufahi

Janeiro 2013

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Editor convidado

Hercus dos Santos

tags

subscrever feeds

blogs SAPO